imagem

imagem

domingo, 30 de setembro de 2012

A Outra


Sempre a observava com paixão. Sabia de sua vida mais íntima, conhecia seus hábitos. Decorara os dias que recebia flores, toda semana, rosas exuberantes e delicadas flores do campo. Sabia que não eram enviadas sempre pela mesma pessoa, estilos diferentes, floriculturas diferentes e especialmente, recepção diferente. As rosas iam para um vaso de porcelana na sala, e ali reinavam por dias. As singelas flores eram colocadas num vaso antigo e ficavam em seu quarto por um dia apenas, mas estas eram o tempo todo enamoradas.
Conhecia sua bebida predileta, vodca, e sempre a bebia sozinha, exceto às quartas-feiras, que além de acompanhada, a roupa era deslumbrante, sensual, a noite era previsível, pela manhã acordava tarde, lânguida, e ia caminhar.
Cerveja era apreciada aos sábados, com amigos, casa cheia, música boa e alta, dançavam, comiam. E aos domingos era convidada para uma nova peça de teatro que estava passando na cidade, ou um filme recém-lançado, às vezes um show de rock, e a preparação era digna de um espetáculo, desde a maquiagem à escolha do lingerie.
Sabia quando a outra era convidada para um motel. Vestia-se com primor, porém mais ousada, deixava de usar calcinhas, ou usava alguma especifica para o momento. Perfumava-se mais, caprichava nos hidratantes, por horas.
Quando percebia tais rituais, alegrava-se pela outra e algo dentro de si mesma ia murchando cada dia mais. Olhava-se, com seu vestido leve e simples, sentia a pele arrepiar-se, passava as mãos pelos seios ainda bonitos. Mas não ganhava flores, não as recebia e nem as comprava.
Às vezes comprava ingressos para um espetáculo que adoraria ir, mas os esquecia em alguma gaveta e depois os esquecia da vida e esquecia-se de si, vivia a outra.
Deslumbrava-se com os momentos de observação, ali vivia intensamente, presa à sua janela e à janela da outra, transparente, nua.
Gostava das noites tórridas que desfrutava em contemplação, gelada, fria, encolhida no canto da sala. E mais do que sentia o sabor das bebidas, ficava tonta, leve, com seus efeitos.
Era também marcante o dia da feira, ia comprar verduras e frutas frescas, enquanto acompanhava a outra, comprando, com frescor, frutas exóticas e encantando o ambiente.
Chegou a ir a um motel distante da cidade, um dos mais luxuosos, sozinha, aproveitou o banho na banheira, secou seus cabelos, deitou-se na imensa cama. Mas a melhor sensação foi encostar-se à parede e sentir a presença da outra, do outro lado, em prazer descomedido. Saiu feliz.
Outra vez comprou bebidas, arrumou-as em seu bar, vislumbrou a beleza de garrafas tão distintas ao seu alcance... Nunca bebeu, nunca amou, nunca enlouqueceu.
Então, numa manhã, viu o corpo da outra, estendido, frio, branco, imóvel. Foram-se os prazeres, os amigos, os amantes. Fora-se a vida. Fora-se o amor. Sentiu-se ir também, olhou as mãos, estavam manchadas de sangue, secas, duras.
Tombou para um lado e dormiu. As sirenes continuavam a iluminar tudo, e o som era cada vez mais distante.

27 de Setembro de 2012
Valdira S. Rosa

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

LUANA



Seu primeiro livro de histórias foi “A poesia é uma pulga”, da Sylvia Orthoff, que ouvia no balanço da rede e repetia as últimas sílabas, que logo passou a repetir palavras, frases, até ter decorado inteiro e mais tarde ler sozinha. Mas nunca abandonou o gosto por ouvir histórias. Se ouvia uma num dia e depois pedia para repetir em outro, nunca se poderia alterar nada, pois se recordava de todos os detalhes (e muitas vezes nós não!), e assim surgiu o lobo bonzinho em sua vida (e até hoje gosta muito deles!). Assim como para fazê-la dormir não poderíamos cantar músicas conhecidas suas, pois cantarolava junto e não adormecia, essas também tinham que ser inventadas, ou alteradas.
Os livros passaram a ser muitos, O Pequeno Príncipe, Maria Vai com as Outras, Luana Adolescente Lua Crescente, Marcelo Marmelo Martelo, Guardachuvando Doideiras, Vovó Viaja e não sai de casa, que passaram a acompanhá-la ao banheiro e lá passava longos momentos de leitura no “troninho” e acabou virando vício, pelos livros e por ir ao banheiro com eles. E quando estávamos em casa de parentes e amigos ela pedia: “tem um livro, revista, gibi, alguma coisa para eu ler?” já sabíamos que queria ir ao banheiro...
Mas os lia em outros lugares também, e reinventava-os também. Logo passou a criar suas próprias histórias, mesmo antes de ser alfabetizada. O encantamento pelos livros era visível em seus olhos, e essa paixão depois foi estendida aos filmes e música. Muito nova já cantava “O Lobo Bobo”, e “Garota de Ipanema”, depois Chico Buarque, mais tarde Engenheiros do Hawai. Um dia descobriu o rock, logo em seguida o hard rock e apaixonou-se pelos anos 70 e 80, fez um corte pigmaleão nos cabelos e cada dia buscava novas descobertas. Conheceu Raul, Secos e Molhados, Ultraje a Rigor, Janes e não parou mais... Foi às nuvens com o vinil.
Os livros continuam iluminando seus dias, em qualquer lugar, esperando o ônibus, o dentista, a comida do restaurante, com os fones nos ouvidos. É uma contadora de histórias, sonhos, ilusões, reinventa seus dias e o de todos nós que estamos a sua volta. Os filmes são em cascata, quer ser cineasta, mas para mim continua a mesma menininha sonhadora de sempre, e será assim para sempre, por toda a eternidade.

Valdira S. Rosa

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Feiticeira

Murmurava algumas palavras incompreensíveis quando a conheci, não sei bem com quem ou o que falava, ou se era consigo mesma, era muito baixo, suave, belo. Tinha os olhos grandes, levemente rasgados nas laterais, com cílios longos e infinitamente finos, negros, sobrancelhas grossas, precisas, que pareciam desenhadas a dedo, pequeno nariz arrebitado acima de lábios pequenos e finos, mas bem rosados, que pareciam se abrir num cínico sorriso, mas sem sorrir. A pele era morena, naturalmente queimada pelo sol, e os cabelos castanhos avermelhados, desalinhados, ondulados, cobriam parte do rosto. Era uma figura estranhamente linda.
Quando a encontrei, estava no pequeno jardim de minha casa, sentada numa pedra, e distraída murmurava, como já relatei. Não percebeu logo minha presença, ou não demonstrou perceber. Vestia uma longa saia florida e uma túnica branca, deixando a mostra, displicentemente, seus seios volumosos. Perguntei-lhe o que desejava e se poderia ajudá-la de alguma forma. Foi assim que encarou-me firmemente, e senti como se a vida passasse em seus olhos, explicou-me que estava apenas distraída em meu jardim, parara por acha-lo encantador com tantas flores silvestres, diferente dos outros, que sempre exibiam flores exóticas e exuberantes. Percebi então que o jardim ganhara um colorido diferente do que já vira, parecia iluminado artificialmente, suas flores eram realmente delicadas, modestas, mas encantadoras, e agora eram muitas!
Acho que ela percebeu minha admiração, e comentou que isso era normal, as pessoas não se atentavam ao próprio jardim. E claro, percebeu também meu encantamento por ela, pois sorriu timidamente, levantou-se, disfarçou a transparência de sua roupa com os braços. Perguntei se não era daquele lugar, pois nunca a vira por ali, apesar de também estar há tão pouco tempo, disse-me que viera apenas visitar seus pais, que moravam na última rua da quadra, uma casa humilde e branca, com um jardim de margaridas. E realmente eu já vira aquela casa, pois chamava atenção de todos, por destoar da exuberância das outras ao redor e no entanto mostrar-se tão imponente com suas paredes antigas e grotescas, com cortinas leves, rendadas, que sempre pareciam nos vigiar. Já ouvira inclusive alguns moradores falarem que os donos daquela casa eram estranhos, alguns tentaram comprá-la oferecendo pequenas fortunas, e eles nunca aceitaram, diferentes dos antigos vizinhos. Vi então que ela me olhava, meio que curiosa com meus pensamentos, e me perguntou de onde viera. Expliquei-lhe que morava na capital, lugar muito tumultuado para um jovem pintor, e que encontrara aquela casa simples, deixada por meus avós, e resolvera mudar-me, alterando radicalmente meu ritmo de vida. Não percebi logo, mas em instantes estava relatando toda a minha vida, em detalhes, e com prazer, como jamais fizera com pessoas conhecidas, e muito menos estranhas. Ela parecia se deliciar, o que tornava tudo mais encantador, mas não deixou transparecer julgamentos ou qualquer sinal de querer encerrar a conversa. O convite para que entrasse surgiu naturalmente, e logo estávamos sentados à mesa da cozinha, tomando café amargo e falando sobre arte. Quis ver meus trabalhos, mesmo os inacabados, fez comentários sinceros e displicentes. Pude admirá-la melhor, o que achei bom. Suas mãos eram pequenas, com unhas curtas, pareciam roídas. Era pequena, mas não menos imponente, tinha a sensação de que sua presença preenchia todo o ambiente, assim como seu cheiro, que não era doce, nem forte, mas inebriante, como de flores silvestres.
As horas passaram sem que percebesse, logo o sol já se fora e as primeiras luzes da cidade começaram a se acender. Pensei em acender as luzes da casa, mas achei que isso talvez desfizesse o encantamento do momento. Então resolvi acender apenas uma luminária do canto do ateliê. Foi o suficiente para ver que os olhos dela brilhavam muito, repousados sobre meu rosto. Logo voltamos a falar das pinturas, de meus rabiscos, e vi que até aquele momento não sabia praticamente nada sobre ela, aquela criatura tão feminina e linda. Comentei isso com ela, que apenas sorriu e disse que não haveria necessidade, pois nada tinha de encantador para me contar, como a arte. E vi seus lábios abrirem num leve sorriso maroto, como de quem fizera algo terrível, mas que ninguém teria coragem de punir.
O abraço foi, diferente de tudo até então, forte e sufocante, como de amantes que há muito tempo não se veem. Senti meu peito apertado, e sabia que nunca mais conseguiria me afastar daquela mulher. Senti sua boca úmida encostar em meus lábios, e os seios entumescidos encostarem em meu peito. Agarrei-a com força, como se fosse me escapar. Por muito tempo apenas nos beijamos, de todas as formas possíveis. Senti cada linha de seu rosto em meus lábios, sua pele com gosto de mar e lágrimas. Beijei seu pescoço, e aos poucos fui beijando seu corpo, que ela mesma ia desnudando. Senti os seios em meios lábios, macios, quentes, que me acenderam completamente. O turbilhão de imagens e sentidos que me invadiu foi assustador. Já não fazia mais nada com a razão, apenas sentia, como se vagasse em nuvens de prazer. Rolamos no chão frio sem senti-lo, sentia apenas seu corpo, que me aquecia e deixava incapaz de qualquer outra coisa a não ser sentir prazer.
Logo estávamos nus, enlaçados, como um só, um corpo no outro, sentia cada músculo seu em contado aos meus, e o cheiro me inebriava cada vez mais.
Não sei quanto tempo ficamos assim, perdidos no amor, que não era só carnal, mas me parecia uma imensidão. Também não sei quanto tempo fiquei ali, sozinho, naquela imensidão, agonizando, sentindo uma imensa dor no peito, talvez de saudades ou de prazer.
Quando me encontraram já não havia mais nada a ser feito, o corpo inerte, sem vida. Nos olhos apenas um resquício de prazer e angústia, saudade. Nos quadros, brilhava repetidamente a figura de uma bela mulher, com olhar de feiticeira, num jardim silvestre.

Valdira  Rosa